Bacurau (2019); Direção: Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles; Roteiro: Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles; Elenco: Sônia Braga, Bárbara Colen, Thomás Aquino, Silvero Pereira, Krne Teles, Antonio Saboia, Udo Kier; Duração: 131 minutos; Gênero: Drama, Suspense, Faroeste; Produção: Emilie Lesclaux, Saïd Ben Saïd, Michel Merkt; País: Brasil, França; Distribuição: Vitrine Filmes; Estreia no Brasil: 29 de Agosto de 2019;

Bacurau 02

No mesmo momento que a indústria do cinema e audiovisual brasileira é alvejada com inúmeros cortes, redução das isenções, dos incentivos e fomentos à categoria, também é o momento aonde o cinema nacional está em maior notoriedade, nos últimos anos. Parte disso se dá, justamente, a democratização de recursos que acabaram por ascender inúmeros cineastas regionais, rompendo um ciclo de produção majoritariamente ligado ao centro sul do país. Um destes expoente é o pernambucano Kleber Mendonça Filho, originário da crítica de cinema, Mendonça sempre foi, antes de tudo, um cinéfilo. Iniciou sua carreira com vários curtas aos quais afirmava sua cinefilia, com inúmeras homenagens e referências a diferentes estilos de cinema possíveis. Seus dois primeiros longas, “Som ao Redor” (2012) e “Aquarius” (2016) abordavam em sua cerne questões sociais, no âmbito da luta de classe, referente ao passado cruel que assola tanto Pernambuco quanto o Nordeste em geral.

Passado, inclusive, pouco retratado na História nacional. Se em “”Som ao Redor” vemos o sangue escravagista, que desbocou posteriormente num coronelismo fulminante na região, em “Aquarius” nos deparamos com a ideia da construção de um futuro sem dar a devida importância ao pretérito. O bem estar e lucro acima das raízes regionais, pessoais etc. Em “Bacurau“, Mendonça se junta ao seu diretor de arte, Juliano Dornelles, na idealização do passado, como a forma principal de construção de um povo, uma sociedade e, obviamente, uma nação. O diretor sai das regiões urbanas e ruma ao sertão, no oeste de pernambuco.

Como muitas cidades localizadas no Brasil, temos a pequena Bacurau, uma cidade aonde os moradores se conhecem e fazem mais pela comunidade do que o prefeito local, um protótipo de coronel que tenta impor o cabresto ao povo. Após a morte de uma das moradores mais célebres da cidade, o povoado simplesmente sai dos mapas virtuais. Ninguém entende o que está acontecendo, ao passo que vários forasteiros começam a aparecer na região, ao mesmo modo que uma série de assassinatos também passam a acontecer. Estaria tudo conectado? A pergunta principal seria, na verdade, o que, realmente, Bacurau tem a oferecer?

Quanto menos se souber da trama, melhor é a experiência. Contudo, a pergunta é facilmente respondida, inclusive no filme: História. Tradição. Raiz. Em determinado momento, uma personagem pergunta se a outra “Veio visitar o Museu de Bacurau”. É a pergunta chave, pois o lugar em questão reside com a história, a ancestralidade e a identidade de um povo. Não apenas o povo de Bacurau, como o povo nordestino em geral. Um povo que sofreu inúmeros arbítrios ao longo da estória do Brasil, seja pelos inúmeros massacres sofridos ou pelo descaso político, fomentando uma indústria ferrenha da miséria e da seca por toda região. Entretanto, não é um filme sobre o passado da sofrência. O grande feito de Mendonça e Dornelles é a construção de um povo que tem em sua identidade, acima de tudo, o ato de resistir, seja por quais formas for. Isso inclui, portanto, a luta armada, a guerrilha. O cangaço como forma de justiça, heroísmo, identidade e, fundamentalmente, construção social. É a memória coletiva que une o povo.

Hoje, mais do que nunca, o nordeste representa o Brasil pós-eleições gerais de 2018. O fato soa ainda mais engrandecedor, levando em conta que o longa-metragem foi realizado anos antes das eleições. No entanto, vemos aquela cidade remota ser a representação deste país, alvejado por tudo e todos, vendo de frente a face do pior inimigo. O fascismo não de mata simplesmente, pois ele brota e reside no chão. Usando inúmeros signos e alegorias, a dupla de cineastas conseguem fazer um estudo precioso sobre esse movimento crescente no Brasil. Ver a escalada da violência em diferentes níveis e formas, mas rejeita a reação passiva. É preciso agir. Rever o passado para conseguir atingir o futuro.

Há tantas referências da dupla, desde Star Wars até os clássicos de John Carpenter. Mendonça e Dornelles usam e abusam disto, tendo uma linguagem reverencial ao Cinema, na construção de um cinema que visa dialogar com todos, compreendendo o globalismo como forma de atingir massas e culturas, não de inferiorização do cinema. Inclusive, o longa se encaixa facilmente no gênero americano Western, com tons de terror, que compreende a grandeza de retratar o nordeste, aqueles corpos e faces. A retomada do cinema brasileiro, popularmente iniciada com “Carlota Joaquina – A Princesa do Brasil” (1995) se encontra num momento de catarse em “Bacurau“, aonde inicia-se um Cinema de Autor brasileiro. A contradição se dá por isso acontecer no momento de desmanche do cinema nacional.

É incrível ver a veterana Sônia Braga viver o auge de sua carreira, num papel completamente de desconstrução da sua figura. Braga dá dimensão a sua personagem Domingas, é o arquétipo emocional que reside no longa. Ainda mais incrível ver Silvero Pereira em cena, vivendo o justiceiro Lunga, desde já um marco na cinematografia brasileira. Uma figura completamente marginalizada, transformada num herói, um guerreiro da cidade, deixando para trás quaisquer estigma de vítima. Lunga nos dá redenção. Lunga livre hoje e sempre. Udo Kier é magnético, seu vilão é propositalmente caricato, suas entradas de cena são pura provocação, ao passo que o mesmo evita o clichê. É um contraponto perfeito, sobretudo no catártico desfecho.

Ao término da sessão, um êxtase. O Seu final é tão redentor, nos provoca esperança acima da revolta. Esperança que deve residir dentro da população, das sociedades que rejeitam a passividade. Uma sociedade que já fora representada por Maria Bonita, Lampião, Zumbi e Dandara dos Palmares, Antônio Conselheiro e tantos outros, não pode se render. Deve resistir, lutar. Ao povo de Bacurau, palmas. Ao povo brasileiro, a esperança. O resgate ao passado nos gera esperança na construção deste futuro.

“Bacurau” – Trailer Oficial:

1 Comment

  1. Pingback: 43ª Mostra de SP | A Vida Invisível (2019) - Cine Eterno

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.