Direção: Francis Lawrence
Roteiro: Simon Beaufoy e Michael Arndt
Elenco: Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Elizabeth Banks, Stanley Tucci
País de Origem: EUA
Estreia Mundial: 22 de Novembro de 2013
Estreia Nacional: 15 de Novembro de 2013
Gênero: Aventura/Ficção
Duração: 146 minutos

JOGOS VORAZES: EM CHAMAS COMPLEMENTA MUITO BEM A FRANQUIA, ALÉM DE CRIAR UMA GRANDE EXPECTATIVA PARA OS PRÓXIMOS DOIS FILMES QUE ESTÃO POR VIR.

 

Sendo bem sincero, me sinto muito feliz por estar vivendo esse fenômeno que é Jogos Vorazes, fico muito feliz em ver que sim, filmes infanto-juvenis não precisam ser extremamente mastigados ou se restringirem a uma romance água com açúcar com uma protagonista extremamente frágil (e submissa) e com uns vampiros no meio. A franquia Jogos Vorazes consegue, além de ter uma protagonista mulher e forte disposta a fazer tudo para manter a salvo todos que ama, nos faz refletir a maneira com que vivemos atualmente. Por mais que o filme se trate de uma ficção distópica, as analogias com a nossa realidade são bem claras. Ver que isso realmente chama a atenção dos jovens que são as mentes pensantes do futuro, me deixa deveras esperançoso, mesmo que uma boa parte só vá assistir pelo espetáculo visual. Enfim, nem tudo é perfeito.

Jogos Vorazes: Em Chamas é o segundo filme de uma franquia que começou de maneira bem promissora e que a despeito de alguns pequenos problemas, merecia uma continuação melhor. Em Chamas não só supera seu antecessor, como também prepara o terreno de maneira muito eficiente para as próximas adaptações.

Em Chamas começa a partir dos acontecimentos do filme anterior, percebemos que a vitória de Katniss (Jennifer Lawrence de O Lado Bom da Vida) e Peeta (Josh Hutcherson de Minhas Mães e Meu Pai) gerou um sentimento diferente em todos os distritos. Há esperança novamente, esperança de que todas essas barbáries irão acabar. No entanto, o presidente Snow (Donald Sutherland) está bastante ciente das rebeliões e pretende reprimi-las. Além disso, o 75º Jogos Vorazes se aproxima e, por ser uma data especial, esses jogos serão diferentes,  compostos apenas por aqueles que já foram vitoriosos uma vez, pelo menos. Então, mais uma vez, o casal de protagonistas deverá enfrentar a Arena.

Em Chamas surpreende pelo fato de não se render apenas às cenas de ação ou ao triângulo amoroso. Além do fato do filme ter Jogos Vorazes no nome e estes só ocorrerem realmente após 1 hora e 30 minutos do início da projeção. Com um foco menor nos jogos e maior no aspecto político, Francis Lawrence (Eu Sou a Lenda e Constantine) – que assume a direção – nos transporta para as entranhas dessa sociedade falida que só funciona por aparências, que escraviza distritos, que mata rebeldes sem dó nem piedade. Apesar de não mostrar explicitamente, na atmosfera da película sentimos que o povo não está mais satisfeito e está disposto a lutar. A saída de Gary Ross e a entrada de Lawrence trouxe um novo ânimo ao filme, visto que há uma notável diminuição de cortes desnecessários e também do uso de câmeras de mão (apesar de elas estarem muito presente, mas, dessa vez, fazem sentindo para a narrativa). Além disso, os 146 minutos de filme passam voando graças a montagem de Alan Bell (500 Dias com ela) que faz com que o espectador fique atento aos acontecimentos o tempo todo – algo bem complicado, atualmente, para um filme com mais de duas horas.

A direção de fotografia, na maior parte da fita, comete os mesmos equívocos do primeiro filme, apostando em um aspecto nublado e sombrio que, às vezes, aparece forçado quando usado, por exemplo, entre uma conversa entre Katniss e sua irmã. No entanto, a cópia em IMAX, reserva, talvez, uma das maiores sacadas do filme em relação à fotografia e à imersão cinematográfica. Todo o universo fora dos jogos é apresentado em 2.35:1, a mesma razão de aspecto do filme anterior(a mais convencional em Hollywood). Quando Katniss vai entrando na Arena, a tela vai se “expandindo” e se encaixa por toda a tela IMAX (razão de aspecto 1:44.1), nos trazendo uma imersão única. As cenas na Arena continuam de tirar o fôlego e, também, são mais concisas que no primeiro filme, uma vez que já estamos familiarizados com as regras dos jogos.

Mais uma vez, o centro do filme é Jennifer Lawrence que nos entrega mais uma de suas atuações impecáveis, trazendo de volta aquela protagonista forte que vimos anteriormente e que precisa enfrentar não só o fato de ter de fingir estar feliz para todos após os absurdos pelos quais passou, mas também ser forte para enfrentar os jogos novamente e, mais uma vez, Lawrence prova que grande parte do sucesso da franquia se deve à sua participação. Não posso deixar de citar que Stanley Tucci no papel de Caesar segue espetacular, entregando-nos um ótimo alívio cômico, assim como a inserção de uma nova personagem Johanna (Jena Malone) que participa de vários momentos hilários durante a fita.

Jogos Vorazes: Em Chamas complementa muito bem a franquia, trazendo novos personagens, aprofundando outros que ainda não tinham muita importância (até então), conseguindo até intensificar algumas discussões que podem, tranquilamente, serem feitas na nossa realidade como a “Política de Pão e Circo” e a manipulação das massas através da Imprensa. Além de criar uma grande expectativa para os próximos dois filmes que estão por vir. Agora só nos resta aguardar ansiosamente pelo fim dessa jornada.

Trailer Legendado

1 Comment

  1. Pingback: Crítica | Operação Red Sparrow (Red Sparrow, 2018) - Cine Eterno

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.