Darren Aronofsky esteve em um painel no SXSW -Festival de cinema, música e tecnologia South by Southwest– neste Sábado e falou sobre seu polêmico “Mãe!” e discorreu sobre “10 comandos” para Produções Independentes.

O mais recente filme do diretor, lançado no ano passado, dividiu a crítica e recebeu uma rara nota F do público norte-americano.

Durante sua fala, ele aproveitou para explicar o significado do filme e sua inspiração para ele:

Eu quis fazer um filme sobre a Mãe Natureza e como nós a tratamos. A maneira como nós fazemos isso é incrivelmente desrespeitosa. Nós a saqueamos, a estupramos, a escavamos, a chamamos de suja. O quão grosseiro é isso?

Sobre o filme ser divisivo:

A parte empolgante do que eu sempre fui inspirado a fazer é realizar filmes que não deixem a audiência com uma única reação. Eu quero que as pessoas falem sobre suas diferentes reações.

Continuou:

Este é um momento no mundo que é desesperador. É por isso que Jennifer Lawrence interpretou a personagem como fez, há muita emoção. Há muita emoção humana também, sobre casamentos e relacionamentos desmoronando, sobre o processo criativo. Muita expressão sobre o que estava acontecendo comigo naquele momento.

Sobre o personagem de Javier Bardem, disse:

Eu olhei para a bíblia e como Deus do Antigo Testamento é pintado. Quando você pensa sobre aquele Deus, se você não ora para ele, ele te mata. Que tipo de personagem faz isso? Para mim, era sobre interpretar isso em emoção humana.

Darren Aronofsky falou durante uma hora em um painel que intitulou de “Os 10 Comandos do Filme Indie”, uma alusão a temática recorrente de seus filmes, e esclareceu:

Com toda a humildade, eu sou uma fraude de escritor comparado ao cara que escreveu a Bíblia.

Os 10 mandamentos de Darren Aronfosky e um breve resumo de cada:

1. Faça o filme que somente você pode fazer:

Eu estou em cada um dos meus filmes. Eu tento sempre que escrevo e crio esses personagens para instilar neles a minha versão do que está acontecendo. Você não pode terminar tentando entender o que as pessoas querem ver, porque existem corporações gigantes tentando fazer isso por você.

2. Persistência é 9/10 do jogo:

Eu não que acho que seja realmente nove-décimos do jogo, mas soa melhor que sétimo-décimos do jogo. Quanto mais pessoas te dizem não, mais você sabe que está fazendo algo certo.

3. Trabalhe com família:

É tudo sobre ‘ei, vamos tentar fazer algo que nunca foi feito antes’. Vamos tentar empurrar a nos mesmos e uns aos outros e tentar fazer coisas das quais nós ficaremos orgulhosos. E a única maneira de se fazer isso é como uma família.

4. Faça seu dever de casa antes de ir para o set:

Pré-produção é um dos competentes mais importantes para o diretor. Ele relata que fez um storyboard para cada quadro de “Fonte da Vida“. Ele também ensaiou com o elenco e equipe de “Mãe!” por três meses antes de finalmente iniciar as filmagens. Tudo porque essa preparação o permite se sentir preparado em momentos de frustração que posteriormente surgirão. Sobre os ensaios no filme, ele comentou:

Nós exploramos a casa inteira e fomos página a página, linha por linha, compreendendo tudo. Não haviam paredes e foi como se nós estivéssemos em Dogville

5. Adapte-se a realidade:

Há um único lugar onde a câmera deve estar em cada cena. É seu trabalho como cineasta descobrir onde deve ser isso. A câmera sempre está contando a história. A câmera sempre é uma participante.

6. Não tenha medo dos seus atores:

Eu acho que edição veio de forma muito natural para mim, assim como trabalhar com a câmera, mas eu não tinha ideia do que estava se passando com os atores. Você tem que querer os atores em uma caixa de areia, onde eles podem criar e seguirem em frente. Eles podem cair, eles pode cometer erros e eles sentem que podem confiar em você.

7. Não se esqueça de seu público:

O trabalho é, entre ação e corte, ser o público. Estar completamente presente, se canalizar e ver o que está acontece na sua frente.

8. Comprometa-se a visão:

Essa é a coisa bonita de ser um cineasta que tenta fazer as coisas do seu próprio jeito. Você não pode realmente ser reeditado. Se você colocar sete câmeras na cena, terá diversas opções, mas se você realmente está esculpindo cada quadro, eles estão sendo esculpidos para que possam se encaixar como um todo.

9. Deixa sua criança partir:

Você nunca termina um filme, você abandona um filme. Se você voltar a ele, você está tomando tempo que devia ser gasto em uma nova peça.

10. Se importe pra caralho:

Com todas as coisas que estão acontecendo, você não tem desculpa para fazer filmes vazios. Foque em amor humano e não em violência humana. Nunca coloque uma arma nas mãos de uma estrela de cinema. Fodam-se os pessimistas e ajude a mudar o mundo.

Os trechos e informações do painel de Darren Aronfosky no SXSW foram retirados da Variety e do Film School Rejects.

Comentários

comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *