Assassinato no Expresso do Oriente (Murder on the Orient Express, 2017); Direção: Kenneth Branagh; Roteiro: Michael Green; Elenco: Kenneth Branagh, Penélope Cruz, Willem Dafoe, Judi Dench, Johnny Depp, Josh Gad, Derek Jacobi, Leslie Odom Jr., Michelle Pfeiffer, Daisy Ridley; Duração: 114 minutos; Gênero: Comédia, Crime, Mistério; Produção: Ridley Scott, Mark Gordon, Simon Kinberg, Kenneth Branagh, Judy Hofflund, Michael Schaefer; País: Estados Unidos; Distribuição: Fox Film do Brasil; Estreia no Brasil: 30 de Novembro de 2017;

Confira a crítica em vídeo de Márcio Picoli, clicando no player acima! Aproveite e clique aqui para conhecer o nosso canal do YouTube.

Assassinato no Expresso do Oriente 02

Assassinato no Expresso do Oriente (Murder on the Orient Express) reúne uma série de elementos que por si só são capazes de atrair qualquer público, mas o nome de Agatha Christie consegue catalisar tanto quanto qualquer outro aqui envolvido na adaptação de sua obra homônima. São nas nuances tão veementes da própria autora na obra que ajudam o filme de Kenneth Branagh (Cinderela) a sobressair quando mais precisa. Porque o diretor, apesar do nome que construiu para si, já não vem mais numa toada tão certeira, com constantes oscilações e uma decadência gritante quando lembramos de seu horrendo Jack Ryan.

Por incrível que pareça, no entanto, o trabalho de Branagh é também um dos principais atrativos aqui. Mas ainda assim, encontramos ao longo do filme alguns vícios do diretor que imprimem justamente a oscilação pela qual sua carreira passa, sendo que ainda que lhe renda méritos, não se mostre algo sequer próximo do que esperaríamos do cineasta 10 anos atrás, por exemplo. O problema é como não se consegue manter uma mesma toada, onde o tom literalmente oscila e faz do protagonista uma figura diferente do caricato que se tem em mente, influindo uma espécie de ingenuidade e soando mais de maneira tola.

Assassinato no Expresso do Oriente 03

Ocorre que um dos grandes empecilhos no caminho de Kenneth Branagh é o próprio roteiro que adapta a obra. Michael Green (Blade Runner 2049, American Gods, Logan) pode até estruturar de maneira funcional o filme, mas o quanto Assassinato no Expresso do Oriente se sustenta na obra em qual é baseada é o que torna a história em algo interessante. O que o roteirista não consegue discernir é a necessidade de imprimir uma sutileza em seus diálogos ou no próprio desenvolvimento dos personagens e da narrativa, não havendo, portanto, a possibilidade de se gerar uma credibilidade o suficiente no perigo que supostamente alardeia aos passageiros.

Kenneth Branagh não se vê capaz de contornar isso, e cede tanto ao tom exacerbadamente cômico -que, apesar de funcionar e entreter, em muitas ocasiões se faz um equívoco- e a excessos que por vezes culminam em momentos de extrema pieguice. Assim, a força que o filme consegue obter ao construir sequências de uma beleza estética se esvaem, e planos sequências magnetizantes jazem avulsos e plenamente dispersos, como ângulos de câmera que tentam imprimir alguma identidade singular, mas que esbarram num vazio despropositado e que pouco agregam, justamente por falhar quando precisavam ser completamente determinantes. Acaba-se por ficar em um meio termo.

Assassinato no Expresso do Oriente 04

Dito isso, fica claro que é difícil para o estrelado elenco ter algo com o que realmente trabalhar que seja o suficiente para criar uma convicção indubitável. Porém, também não há nada desastroso e nem mesmo Johnny Depp (Animais Fantásticos e Onde Habitam), apesar de tentar, é capaz de estragar o conjunto da obra. E é no coletivo que o filme se sobressaí, pois, individualmente, não há nenhum nome que destoe dos outros. Assim, na média em geral, o elenco nos conquista -salvo a exceção do assassinado- e entrega em conjunto um trabalho que, longe de impressionar, ao menos cumpre o propósito de entreter.

Assassinato no Expresso do Oriente sem duvida alguma divertirá ao espectador que alinhar suas expectativas àquilo o que o filme é capaz de entregar. A realidade é que não decepciona, mas desperdiça potencial por tudo aquilo que aspira e frustra suas próprias expectativas, tendo em mente que desde sua concepção o projeto mirava mais alto do que um sucesso apenas nas bilheterias. Há alguma beleza que se apreciar no filme de Kenneth Branagh, mas os excessos apelam ao artificial e deixam tão pouco ao público para contemplar, resultando numa obra que vive de efêmeros lampejos e sucumbe às lacunas que não consegue preencher por sua própria falta de sutileza em desenvolver o mistério.

Assassinato no Expresso do Oriente – Trailer Legendado: