Chega ao fim nessa terça-feira, dia 2 de outubro de 2016, a 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Foram dias corridos, de pouco sono, má alimentação, corridas entre uma sessão e outra, bastante debates e conversas e muitos filmes, vindouros de inúmeras nações. Assistir 51 filmes, das produções mais diversas possíveis, muita coisa ainda faltou, mas o saldo é enormemente positivo. Em meio ao cenário político grotesco nacional, refletido diante dos resultados torpes das eleições municipais locais, foi uma Mostra com âmbito bastante político, como visto nos punhos rebeldes do cartaz feito pelo diretor homenageado Marco Bellochio, ou seja, o evento de cinema conseguiu captar o momento de rebuliço político e social e instigou ao seu público a reflexão. Foram ótimos os encontros, as amizades que fiz, as pessoas que conheci e sobretudo os filmes que vi, nada mais digno em comemoração aos quarenta anos do tal prestigiado evento. Que venha a 41ª Mostra Internacional de São Paulo, no ano que vem!

Deixo aqui minha “premiação”, daquilo que vi e achei melhor, mais marcante, atual e de qualidade, lembrando que é uma lista bastante subjetiva e pessoal, fiquem à vontade para contesta-la e formar a própria.

MELHOR FILME (TOP 1)

Poesia Sem Fim, (Poesía Sen Fin, 2016), de Alejandro Jodorowsky.

TOP 9:

2- Era o Hotel Cambridge (idem, 2016), de Eliane Caffé

3- Então Morri (Idem, 2016), de Bia Lessa

4- Paterson (Idem, 2016), de Jim Jarmusch

5- Beduíno (idem, 2016), de Júlio Bressane

6- Elle (Idem, 2016), de Paul Verhoeven

7- Tempestade de Areia (Sufat Chol, 2016), de Elite Zexel

 8- Belos Sonhos (Fai Bei Sogni, 2016), de Marco Bellochio

9- Vinte Anos (idem, 2016), de Alice de Andrade

10- Sem Deus (Godless, 2016), de Rallitza Petrova

 

Prêmio de Melhor Direção:

Eliane Caffé, Era o Hotel Cambridge

 

Prêmio de Melhor Interpretação Feminina:

Isabelle Huppert, Elle

 

Prêmio de Melhor Interpretação Masculina:

(Empate)

Adam Driver, Paterson

&

Nicoló Cabras, Belos Sonhos

 

Prêmio Especial para o Elenco:

O Apartamento (Forushande, 2016)

 

Prêmio de Melhor Roteiro:

Beduíno (idem, 2016), de Júlio Bressane

 

Prêmio Especial para Melhor Filme Retrospectivo/Remasterizado:

De Punhos Cerrados (I Pugni in Tasca, 1964), de Marco Bellochio

 

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.