Título Original: Ouija: Origin of Evil

Direção: Mike Flanagan

Roteiro: Mike Flanagan e Jeff Howard

Elenco: Elizabeth Reaser, Annalise Basso, Lulu Wilson

Produção:  Michael Bay, Jason Blum, Stephen Davis, Andrew Form, Bradley Fuller, Brian Goldner

Estreia no Brasil: 2o de Outubro de 2016

Gênero: Terror/Suspense

Duração: 99 minutos

Classificação Indicativa: não recomendado para menores de catorze anos

Sempre que se fala em sequências (ou prequels), automaticamente já dá aquele embrulho no estômago. A sensação fica ainda pior quando o primeiro filme já foi um desastre sem precedentes. Contudo, para toda regra existe uma exceção. Poderoso Chefão 2, Star Wars V – O Império Contra Ataca, Tropa de Elite 2, O Exterminador do Futuro 2 estão aí para comprovar a possibilidade de ser melhor ou igual ao seu antecessor. Percebam, entretanto, que não citei nenhuma produção de terror, porquanto o gênero já é conhecido pelas suas continuações pavorosas, afinal foram 11 filmes do Jason, 8 do Freddy, 7 Jogos Mortais…se sair 4 longas bons dessa lista, já é exagero. Pois bem, sem mais delongas, Ouija: Origem do Mal é um dos maiores saltos em qualidade que já vi, tanto que, a partir de agora, vamos esquecer que houve uma primeira fita.

Na década de 60, Alice (Elizabeth Reaser), jovem viúva com duas filhas, trabalha de forma um pouco suspeita como vidente, uma vez que ela se utiliza de falsos artifícios para convencer as pessoas de seu dom para falar com espíritos. Um certo dia, após ouvir de sua descendente mais velha sobre um jogo de tabuleiro que auxilia nos contatos com o outro lado, ela decide começar a utilizá-lo em suas consultas. Entretanto, a caçula da família, Doris (Lulu Wilson) com a ajuda do Ouija consegue, de fato, conversar com entidades, sem fingimentos, até que todos se dão conta de que algo está errado e, claro, ela está possuída pelo ritmo ragatanga capiroto.

Posso não ter gostado tanto de Ouija: Origem do Mal, pois preciso reconhecer que existem muitas fragilidades no roteiro, principalmente. Contudo, isso não anula o primor técnico dificilmente encontrado em produções do gênero. Conforme referi no parágrafo anterior, a película se passa nos anos 60, o que pressupõe um trabalho de direção de arte mais apurado no sentido de transportar o espectador para época. Para minha supresa, não foi só essa a preocupação do diretor Mike Flanagan. Desde abertura utilizando o logo clássico da universal, passando pelo letreiro estático no início com o ano em números romanos, até mesmo na inserção digital daquelas bolas pretas no canto direito da tela que serviam de aviso pro projecionista montar os rolos. Todas essas pequenas coisas, dão uma verossimilhança para o longa. Parece que estamos mesmo vendo um filme sessentista.

Por outro lado, o roteiro, especialmente no terceiro ato, fragiliza por demais as inteligentes escolhas de Flanagan. O enredo ser clichê é o menor dos problemas, tendo em vista que o início é muito bom, as relações são bem desenvolvidas e tudo vai se construindo para um clímax supostamente interessante. Até que degringola tudo. Doris assume a possessão e começa a tocar o terror de forma desenfreada e, sem dar spoilers, o que até então era calcado na simplicidade e objetividade narrativa começa a apelar para os absurdos e os espetáculos. Tudo desanda de forma espetacular, os últimos cinco minutos de projeção conseguem ser ainda mais anticlimáticos ao insistir em deixar pontas soltas pera mais sequências.

Por fim, Ouija: Origem do Mal é, sem dúvida, uma grata supresa, mais pelas técnicas que se utiliza para recriar uma época do que pela história que pretende apresentar. De qualquer forma, é interessante ver o salto em qualidade que o gênero vem passando, há pouco tempo, se tínhamos uma produção relevante por ano, era muito. Só em 2016, por exemplo, já posso citar, pelo menos, cinco filmes interessante de terror. Ouija, apesar dos defeitos do terceiro ato, já esta nessa lista pela sua bem sucedida ambição técnica.

TRAILER LEGENDADO

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.