Direção: Kevin Munroe e Jerico Cleland

Roteiro: T.J. Fixman, Kevin Munroe e Garry Swallow

Produção: Brad Foxhoven, Kim Dent Wilder e David Wohl

Estreia Mundial: 28 de Abril de 2016

Estreia no Brasil: 05 de Maio de 2016

Gênero: Animação/Aventura

Duração: 94

Classificação Indicativa: Livre

maxresdefault

Fazer adaptação entre mídias diferentes sempre é um grande desafio. Enquanto a literatura e o cinema já tem uma relação quase íntima, quando se entra na seara dos video-games, a situação fica bem mais complicada. São poucos jogos que conseguiram alcançar alguma relevância nas telonas: Silent Hill, funcionou apenas no primeiro filme e os Resident Evil que, mesmo com alguns problemas, conseguem, pelo menos divertir. Fora isso, é fracasso, atrás de fracasso. Ratchet e Clank, infelizmente, é mais uma falha, principalmente pelo fato de esquecer o seu material de origem e fazer com que tudo pareça uma grande cut-scene.

O longa aborda a história da amizade improvável entre um robô defeituoso e uma raposa que acaba resultando em uma parceria para salvar a galáxia das garras do grande vilão Nefário. O antagonista desenvolveu uma arma capaz de destruir planetas (qualquer semelhança com Star Wars não é mera coincidência, uma vez que as referências gritam na sua cara) e, assim, cabe aos dois amigos, juntamente com um time de super-heróis galáticos tentar eliminar a ameaça e trazer paz para a galáxia.

O grande problema da animação está justamente no fato de não ser um filme propriamente dito: o desenho é simplista, as cores são feias e o tracejado lembra um jogo de PlayStation 2 (e não, só porque é uma adaptação de video-game não é desculpa para não ir além) e, em função disso, a produção só tem capacidade de agradar crianças bem pequenas, as quais costumam prestar mais atenção em tracejados minimalistas com cores chamativas. Os adultos e os jovens que estão acostumados com Disney e Dreamworks não vão nem querer chegar perto de Ratchet e Clank.

ratchet_and_clank_movie___screenshot__4_by_caprice1996-d9wrsjm

Por fim, Ratchet e Clank é mais uma tentativa frustrada de trazer para o cinema um sucesso dos video-games. A história deveras simplória e o tracejado que lembra o início dos consoles da nova geração resultam em uma produção que mais parece um desenho para bebês do que uma animação que se leve a serio. Ademais, ressalto que a simplicidade apenas não quer dizer que seja ruim, afinal o Estúdio Ghibli e suas obras são um exemplo de minimalismo que funciona muito bem. Aqui, contudo, nada se salva.

TRAILER DUBLADO

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.