Crítica | Guardiões da Galáxia Vol. 2

Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017); Direção: James Gunn; Roteiro: James Gunn; Elenco: Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel Bradley Cooper, Michael Rooker, Karen Gillan, Pom Klementieff, Elizabeth Debicki, Chris Sullivan, Kurt Russell; Duração: 136 minutos; Gênero: Ação, Aventura, Comédia; Produção: Kevin Feige; Distribuição: Walt Disney / Buena Vista; País de Origem: Estados Unidos; Estreia no Brasil: 27 de Abril de 2017;

Guardiões da Galáxia 2 02

De supostamente a mais arriscada aposta do Universo Cinemático Marvel até então, a um dos sucessos mais bem consolidados e elogiados, tanto por crítica como público. O primeiro Guardiões da Galáxia de James Gunn é considerado por muitos o melhor filme da Marvel, e sem dúvida alguma à época foi um sopro de ar fresco no Universo que estava se construindo. Essa bem-vinda mudança é algo mais do que necessário na atual terceira fase, da qual sou um crítico ferrenho e, aparentemente, por enquanto continuarei sendo. Guardiões da Galáxia Vol. 2 chega com as expectativas em relação a si ainda mais altas que grande maioria dos filmes do estúdio, encontrando praticamente o inverso do ocorrido três anos atrás, mas acaba caminhando em direções semelhantes às já típicas saídas dos filmes com selo Marvel, ainda deixando evidente o que uma revisão com calma do primeiro filme trazia à tona, com problemas de uma fórmula se fazendo excedentes até mesmo no que podia parecer irretocável. Pior, se no primeiro filme se fazia uma ponte necessária para conectar os distantes pontos entre o Universo, aqui também ocorre o inverso, onde há a recorrente falta de cautela onde os incidentes dentro desse Universo parecem completamente isolados uns dos outros.

Guardiões da Galáxia 2 03

A sequência dos créditos de abertura diz muito sobre o que é Guardiões da Galáxia Vol. 2, e não há nenhum problema nisso. Com alguns poucos minutos do filme já é possível se relacionar com esse lado carismático da produção, numa sequência feita justamente para dar ao público tudo aquilo que se esperava, se mostrando extasiante. É o que quer a grande maioria. Mas há o excesso de informação, afinal os créditos estão sendo exibidos e esta é a última coisa na qual se presa atenção, porque são duas frentes diferentes. A luta que é relegada ao segundo plano sofre esse direcionamento justamente para demonstrar o quanto o filme se considera um ponto fora da curva, com o Baby Groot em primeiro plano deixando claro como a produção também não se leva tão a sério. A comicidade plena era o que permitia, aliás, com que o primeiro filme tivesse um desfecho onde o vilão principal é confrontado por um número de dança. A inconsequência do Universo Cinemático Marvel, porém, parece estar perfeitamente exemplificada aqui também, e isso não é nada bom. Não há exatamente um senso de urgência de uma perda, as catarses emocionais se veem dissolvidas porque não se leva a sério, os embates, então, já se tornaram uma marca registrada do inofensivo.

Guardiões da Galáxia 2 04

Entretanto, não digo que o emocional do filme deixe de funcionar, pelo contrário. Há grande presença emocional no decorrer de Guardiões da Galáxia Vol. 2, o problema é como ela se dá descaradamente de forma melodramática. Por exemplo, quando a interessante vilã que é a Nebula de Karen Gillan declama seu plano, na busca de vingança contra Gamora (Zoe Saldana), fica evidente esse exagero tanto da personagem como das próprias exposições de roteiro às quais James Gunn tanto se apropria. Contudo, logo após a declamação, há uma nova quebra, onde o filme precisa recorrer a um alívio cômico para se desfazer do constrangimento ali estabelecido. Isso se torna corrente durante Guardiões da Galáxia Vol. 2, e momentos de excessos dramáticos, que não são poucos, sempre passam por uma tentativa de remediação com o próprio deboche. O que funciona até certo ponto, mas se faz difícil de relevar, ainda mais quando há resoluções para embates como o que ocorre com as próprias Nebula e Gamora. De carga dramática, portanto, restam o que os antagonistas têm a oferecer, e aí vemos surgir outro corriqueiro problema da Marvel: seus vilões. Elemento este que, aqui, chega até a ser difícil de classificar quem são e não decair em spoilers. Mas mesmo a virada da narrativa na construção do grande vilão do filme é falha.

Guardiões da Galáxia 2 05

Muito disso se dá, também, por conta das motivações que impulsionam esses antagonistas. Um deles em momento algum representa verdadeiro perigo aos heróis, até porque o filme tem a intenção muito mais de torna-los num elemento quase satírico da trama, o que revela, no final das contas, a superficialidade dos mesmos. Do outro lado há um vilão cuja existencialismo como motivação não só é superficial, como traz à memória um outro blockbuster bastante recente, o bom Star Trek: Sem Fronteiras (Star Trek Beyond), filme que parecia questionar a sua própria necessidade de contínua existência, algo que se mostra uma armadilha em Guardiões da Galáxia Vol. 2, que não tem o menor cacoete para perceber que está caindo por completo nela, se relevando como nada mais que um filme passageiro. Ofuscado até quando, durante seu clímax, o vilão principal desencadeia parte do seu plano e somos brindados com cenas constrangedoras, que parecem vindas às pressas de uma segunda unidade de produção, que remetem, inclusive, ao que havia de mais pobre no Power Rangers lançado nos cinemas este ano. Assim, com tudo que é entregue nessa continuação, o resultado final soa mais como “Melodramas da Galáxia Vol. 2”. Um filme com tanta vergonha do que é que vira sua própria chacota.

Trailer Legendado:

 

9 Comments

  1. Pingback: Crítica | Transformers: O Último Cavaleiro - Cine Eterno

  2. Pingback: Crítica | Thor: Ragnarok - Cine Eterno - Cinema Sem Fronteiras

  3. Pingback: O Teaser Trailer de Vingadores: Guerra Infinita - Cine Eterno

  4. Pingback: Os Indicados ao 45º Annie Awards - Cine Eterno - Cinema Sem Fronteiras

  5. Pingback: Academy Awards 2018: Os Indicados ao 90º Oscar - Cine Eterno

  6. Pingback: Os Vencedores do VES Awards 2018 - Cine Eterno - Cinema Sem Fronteiras

  7. Pingback: Os Vencedores do MUAHS Awards 2018 - Cine Eterno

  8. Pingback: Crítica | Transformers: O Último Cavaleiro (Transformers: The Last Knight, 2017) - Cine Eterno

  9. Um muito bom filme que vale a pena ver. É um dos filmes mais divertidos que já vi, gostei muito como se desenvolve a história, o roteiro é muito divertido para pequenos e grandes, em todo momento nos fazem rir. Eu gostei muito a participação de Dave Bautista, ele é um ótimo ator, recém o vi em Blade Runner 2049, é excelente! Quero ver novamente e em: https://br.hbomax.tv/movie/TTL617387/Blade-Runner-2049 encontrei os horários em que a transmitirão, deixo o link por se querem ver-la. Eu gosto como interpreta o seu personagem, é um filme muito original. Acho que o diretor Denis Villeneuve fez um ótimo trabalho no filme, ele conseguiu fazer uma sequela impecável e manteve a mesma atmosfera. A fotografia é impecável e o elenco é incrível.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.