Direção: John Wells
Roteiro: Tracy Letts
Elenco: Meryl Streep, Julia Roberts, Juliette Lewis, Margo Martindale, Chris Cooper
País de Origem: EUA
Estreia Mundial: 8 de novembro de 2013
Estreia nacional: 27 de dezembro de 2013
Gênero: Drama
Duração: 130 minutos

‘Álbum de Família’ é um filme que pretende desconstruir as imagens falsas que as hipócritas convenções sociais geram em torno da instituição familiar

O mais chamativo de Álbum de Família é, sem duvidas, o elenco que consta inúmeras estrelas, dentre elas a queridinha Julia Roberts e a sempre impecável Meryl Streep. Dizer que o filme só se resumi apenas ao seus integrantes é diminuir muito este convencional, porém muito bem executado drama familiar.

Meryl Streep encarna Violet, a matriarca da família Weston que acaba de enviuvar, devido ao suicido do patriarca Bervely (Sam Shepard). Em vista disso, Bárbara (Julia Roberts) retorna ao lar e encontra com suas irmãs Ivy (Julianne Nicholson) e Karen (Juliette Lewis), além de sua tia Mattie Fae (Margo Martindale), seu tio Charlie (Chris Cooper) e também seu primo Little Charles (Bennedict Cumberbatch). Com a família reunida, o circo começa a se montar, tendo Violet no papel de megera, que propõe a atacar a todos e transformar este encontro familiar em uma tremenda lavação de roupa suja.

Em meio ao evento trágico, os integrantes da família são aos poucos apresentados, junto a suas peculiaridades, como Violet que é confessa dependente química e, ironicamente, tem câncer na boca ou pelo fato de uma de suas filhas ter se sacrificado em cuidar dos pais e não ter realizado seus planos de vida, como fizera a preferida Bárbara, que apesar da fama de bem sucedida está passando a maior crise do casamento com Bill (Ewan McGregor). Em meio a um grandioso jantar, que considero não só o ápice do filme, como também uma das cenas mais marcantes dele do ano, inicia-se a lavagem de roupa suja entre os familiares ou, como Violet acredita, uma oportunidade de dizer verdades a todos os integrantes da família, apontando suas angustias e causando um choque entre as peculiaridades de cada um.

O roteiro de Tracy Letts, autor também da peça homônima, exagera um pouco no teatralismo, chegando a dar um tom novelesco ao filme. Porém, a trama consegue ser bem amarrada e ainda aproveitar o potencial dos excêntricos personagens, valorizando a todos e abordando diversos temas de forma simples e singela. A direção do saído da TV John Wells é um pouco exagerada e com alguns vícios, porém é competente principalmente por aproveitar o máximo do elenco, dando liberdade aos membros em completarem seus personagens, mostrando evidente desconforto na hipócrita reunião familiar.

Meryl Streep está mais uma atuação antológica, sendo uma amarga e ríspida megera, comparável a sua Miranda Priestly, personagem de O Diabo Veste Prada. Streep enche a tela e vontade não falta de atuar, tendo um notável vigor em aproveitar cada sequência, conquistando os melhores momentos do filme, como quando recorda a péssima infância e mãe que teve. É bem provável que a atriz consiga mais uma indicação ao Oscar, mais que merecidamente.

Mas, diferente de outros, o filme não é só de Streep, pelo contrário, o elenco de peso divide a cena sem decepcionar. Pra começar, Julia Roberts está com uma naturalidade e garra de atuar notáveis, aproveitando todo seu potencial dramático, tendo uma de suas melhores performances da carreira. Margo Martindale é outro destaque da obra, sendo uma das surpresas, principalmente pela química que apresenta com o elenco. Na parte masculina, o veterano Chris Cooper tem um ótimo desempenho e não se deixa ofuscar. Ainda há a participação pequena, porém muito agradável de Benedict Cumberbatch que consegue se destacar com o que lhe é proposto.

“Álbum de Família” é um filme que pretende desconstruir as imagens falsas que as hipócritas convenções sociais geram em torno da instituição familiar, mostrando como os membros distintos procuram viver sua vida individualmente, interagindo com seus parentes apenas quando é conveniente ou por questões meramente sociais. Como na obra, a família deixa de existir e o que sobra é apenas o “Álbum” composto de estranhos indivíduos que se conhecem superficialmente porém com o mesmo sangue.

Trailer legendado

http://www.youtube.com/watch?v=7o7EVGDIcsU

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.