Título Original:  Office Christmas Party; Direção: Josh Gordon e Will Speck; Roteiro: Justin Malen, Laura Solon, Dan Mazer; Elenco: Jason Bateman, Jennifer Aniston, T.J. Miller, Olivia Munn, Kate McKinnon, Courtney B. Vance; Produção: Scott Stuber, Daniel Rappaport, Guymon Casady; Estreia no Brasil: 08 de Dezembro de 2016; Duração: 105 minutos; Gênero: Comédia; Classificação Indicativa: não recomendado para menores de doze anos.

Ai ai, juro que vou sempre com a maior boa vontade do mundo; tento não ser preconceituoso com certas produções com aparência de cassa níquel; inclusive dou chances para sequências, mesmo quando os originais são sofríveis. Contudo, chega um momento que eu realmente fico com vontade de rever meus conceitos. Em a Última Ressaca do Ano eu me segurei para não sair da sala com 20 minutos de filme, afinal, se não se dão ao trabalho de fazer algo com um roteiro, eu não preciso fazer questão de permanecer na sessão (reparem que nem falei em ser bom ou ruim, mas sim apenas um roteiro de verdade, em que os acontecimentos façam sentido).

Na “história”, que é uma mistura de “Se Beber Não Case” com “Projeto X”, Josh (Jason Bateman) recebe uma incrível missão de seu chefe Clay (T.J Miller): fazer a festa de fim de ano da firma. Só que não será uma mera celebração; será e precisa ser uma das maiores de todos os tempos, pois é necessário impressionar um futuro novo cliente da empresa. No entanto, a futura CEO, Carol Vanston (Jennifer Aniston, em sua saga para reformar o banheiro e bater o Nicolas Cage em quantidade de filme ruim), não quer saber de festa e vai fazer de tudo para impedir que ela aconteça. É claro que Carol falha e…bem…tudo sai do controle.

Peço licença para, primeiramente, fazer um leve desabafo nesse fim de ano. 2016 foi difícil pra todo mundo e eu realmente esperava que, agora, nessa época em que os problemas começam a desaparecer e a sociedade injeta nas pessoas o espírito natalino, as coisas começassem a melhorar, pelo menos no cinema. Só que não. É Último Virgem, é Anjos da Noite 57, é A Última (que deveria ser a pior) Ressaca do Ano. Olha, não chegamos nem na segunda semana de Dezembro direito e já temos os três piores filmes do ano, não dá pra ser feliz assim. Então, voltando ao filme, vou ser breve porque já perdi muito do meu tempo com essa produção.

Em suma, A Última (pior) Ressaca do Ano é um monte de dinheiro e esforço colocado fora em um filme que deveria fazer rir, mas, na verdade, dá desespero e vergonha alheia. Os diálogos são sofríveis, as piadas…inexistem, as atuações são pra lá de genéricas e a direção deve ter ficado bêbada na festa junto com os roteiristas que esqueceram que, mesmo num filme de comédia, é preciso ter o mínimo de coerência com os fatos apresentados e, claro, personagens.

A “Última Ressaca do Ano”, portanto, é pior que qualquer ressaca de verdade, porque esta dá para tomar uma água ou alguns remedinhos para melhorar, agora, aquela, não há Engov que resolva.

TRAILER LEGENDADO

About the author

Editor-Chefe do Cine Eterno. Estudante apaixonado pelo universo da sétima arte. Encontra no cinema uma forma de troca de experiências, tanto pelas obras que são apresentadas, quanto pelas discussões que cada uma traz. Como diria Martin Scorsese "Cinema é a importância do que está dentro do quadro e o que está fora".

Related Posts

2 Comments

  1. Pingback: Crítica | A Noite do Jogo (Game Night, 2018) - Cine Eterno

  2. Pingback: Protagonistas Fogem de Criminosos no Trailer de Meu Ex É Um Espião

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.