Antes de olhar para os filmes com as chances de impacto de melhor, bom, decente ou meramente OK nessa temporada de premiações, é importante notar um incomum e emocionante desenvolvimento esse ano. Pela primeira vez, no que parecem anos, muitos dos mais fortes concorrentes são filmes liderados e sobre mulheres. Estou falando de filmes como “Divertida Mente”, “O Quarto de Jack”, “Brooklyn”, “Carol”, “A Garota Dinamarquesa” e “Joy”. cada um deles tem a chance de ganhar uma grande variedade de indicações além de elogios esperados para as mulheres protagonistas.

Não é assim que as coisas geralmente acontecem. Ano passado, 3 das indicadas a Melhor Atriz foram as unicas indicadas por seus respectivos filmes, e apenas “Selvagem” conseguiu indicações para Melhor Atriz e Melhor Atriz Coadjuvante. Mas esse ano, há uma forte chance de todas as 5 melhores atrizes serem de filmes também indicados para Melhor Filme.

Claro, a temporada de premiações ainda está recente. Embora os Festivais de Sundance, Berlin, Cannes, Telluride, Veneza e Toronto tenham revelado duzias de possíveis competidores, muitos dos filmes na lista ainda não estrearam, então a inclusão deles aqui é puramente especulação. E, como sempre, há a chance de um filme surgir do nada. Então, por favor, não levem essa lista a mal.

1 – ACIMA DAS NUVENS

Possiveis indicações: Melhor Atriz (Juliette Binoche), Melhor Atriz Coadjuvante (Kristen Stewart)

Binoche interpreta uma famosa atriz planejando retornar para a peça que deslanchou sua carreira. Ela atua muito bem, mas ela é um tiro no escuro para uma indicação esse ano. Stewart, entretanto, como sua assistente, já fez história nas premiações com esse filme, como a primeira atriz americana a ganhar o César Awards por Melhor Atriz Coadjuvante. Esse também é um filme incrivelmente sedutor sobre o significado de ser famoso e bem sucedido no show business, um tema que deu a Birdman todos aqueles Oscares ano passado, então quem sabe!


2 – EX MACHINA

Possíveis indicações: Melhor Atriz Coadjuvante (Alicia Vikander), Melhor Ator Coadjuvante (Oscar Isaac), Melhor Roteiro Original, Fotografia, Design de Produção e Efeitos Visuais.

Ficção científica não costumava chamar atenção no Oscar, mas “Gravidade”, “Ela” e “Interstellar” ajudaram a elevar a credibilidade do gênero com a academia (algo que vai beneficiar “Perdido em Marte” ainda mais). E ainda, ano passado, “O Grande Hotel Budapeste” foi um ótimo lembrete de que filmes que estreiam na primeira metade do ano podem ter um grande impacto na temporada de premiações, e há um verdadeiro contingente na academia que devora esse tipo de filme, bonito e inteligente, e acabam votando nele. O ano de destaque de Alicia Vikander entre esse filme e “A Garota Dinamarquesa” faz dela uma das mais óbvias candidatas, mas Oscar Isaac tem se tornado tão presente ultimamente que eu imagino se poderia conseguir uma indicação como coadjuvante por sua performance como o malvado gênio da tecnologia – já vale só pela cena de dança disco.


3 – MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (George Miller), Melhor Atriz (Charlize Theron), Melhor Roteiro Adaptado, Edição, Fotografia, Design de Produção, Figurino, Maquiagem, Efeitos de Som, Edição de Som, Efeitos Visuais.

Há um universo em que Mad Max ganha até 13 indicações, e enquanto eu desesperadamente quero viver nesse universo, eu não acho que vai conseguir alcançar tanto. Eu realmente espero que o filme possa pelo menos ter uma indicação para Melhor Filme, mas eu suspeito que sua melhor chance será na categoria de Melhor Diretor, assim como os colegas de Miller recordam do temor (e nós!) que todos sentiram ao testemunhar o espantoso feito que ele conseguiu com esse filme aos 70 anos de idade. Se a categoria de Melhor Atriz não estivesse tão (magnificamente) competitiva esse ano, Theron seria mais do que uma ótima indicação. Os muitos membros da equipe por trás das câmeras, contudo, deveriam estar comprando roupas formais nesse momento.


4 – LOVE & MERCY

Possíveis indicações: Melhor Ator/Melhor Ator Coadjuvante (John Cusack, Paul Dano), Melhor Atriz Coadjuvante (Elizabeth Banks), Melhor Roteiro Original e Melhor Mixagem de Som.

Essa incomum biografia de Brian Wilson do Beach Boys – interpretado como um jovem nos anos 60 por Paul Dano, e um homem mais velho nos anos 80 por John Cusack – foi um modesto hit indie do verão, com ambos os atores recebendo algumas das melhores críticas de suas carreiras. O dilema em dividir eles em ator principal ou coadjuvante é bastante complicado ao longo dessa temporada. Independente da categoria, embora, Dano deveria finalmente ganhar sua primeira indicação ao Oscar.


5 – DIVERTIDA MENTE

Possíveis indicações: Melhor Filme, Melhor Roteiro Original, Melhor Animação

Nenhuma animação recebeu uma indicação a Melhor Filme desde “Toy Story 3” em 2010, não coincidentemente, esse foi a ultima animação a conseguir encher várias piscinas Olimpicas com lágrimas humanas – isso até “Divertida Mente” ser lançado. Apenas olhe para a foto acima do filme, quando Alegria percebe a vital importancia da Tristeza, e sim, chorando de novo!


6 – MR. HOLMES

Possíveis indicações: Melhor Ator (Ian McKellan), Melhor Roteiro Adaptado, Figurino e Maquiagem e Cabelo.

Ninguem já foi nomeado a um Oscar por interpretar Sherlock Holmes, mas se alguem pode ser, é Ian McKellan, que interpreta Holmes no fim de sua carreira, no topo de suas faculdades e no crepúsculo de sua vida 30 anos depois e com sua perspicácia mental se desgastando e desaparecendo. É uma performance surpreendente, e uma que poderia ter sido indicada se o filme não tivesse estreado no outono em vez de no verão. Mas foi também um verdadeiro hit em um ano difícil para os filmes independentes, e é o tipo de filme que deveria ser exibido em cinemas.


7 – O FIM DA TURNÊ

Possíveis indicações: Melhor Ator Coadjuvante (Jason Segel) e Melhor Roteiro Adaptado

Após passar boa parte da década em um amado seriado (How I Met Your Mother) e em uma série de comédias bem recebidas pelo público (“Ressaca de Amor”, “Cinco Anos de Noivado”, “Eu Te Amo, Cara”), Jason Segel não fez segredo de seu desejo de se extender por territórios inesperados com essa performance como o aclamado novelista David Foster Wallace. Será uma subida ingrime para Segel para conseguir uma indicação: O filme é basicamente uma conversa extendida, estreou no verão, e a familia de Wallace e o estado repudiaram o filme mesmo antes das filmagens terminarem. Mas Segel também tem sido aclamado por sua performance, e ele tem demonstrado boa vontade ao falar sobre o filme, algo que tem provado ser crucial para a campanha na temporada de premiações.


8 – STRAIGHT OUTTA COMPTON – A HISTÓRIA DO N.W.A


Possíveis indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (F. Gary Gray), Melhor Ator Coadjuvante (Jason Mitchell, Paul Giamatti) e Melhor Roteiro Original

Apesar de sua forte recepção na critica, esse filme é algo como um tiro no escuro. Ele vai exigir uma campanha cuidadosa – por uma coisa, N.W.A (nome do grupo de rap) se mostra muito “jovem” para os membros mais velhos da academia. – e alguns filmes que ainda não estrearam nos cinemas ou em um festival não vão se surpreender se os eleitores derem uma segunda olhada em Straight Outta Compton. Se eles derem, vamos torcer para que foquem na performance profundamente afetiva de Jason Mitchell como Eazy-E e no forte trabalho de Paul Giamatti como o empresário moralmente duvidoso do grupo.


9 – ALIANÇA DO CRIME


Possíveis Indicações: Melhor Ator (Johnny Depp), Melhor Ator Coadjuvante (Joel Edgerton), Melhor Maquiagem

Na maioria dos anos, são as categorias de atuação feminina que são populosas com filmes apresentando fortes performances. Esse ano, entretanto, os filmes não muito emocionantes que ainda permanecem na disputa de prêmios são em grande parte emcabeçados por homens. É o caso de Black Mass. A biografia do gangster de Boston James “Whitey” Bulger desapontou os críticos enquanto ganhava forte destaque pelas robustas atuações de Johnny Depp como Bulger e de Joel Edgerton como seu melhor amigo no FBI.


10 – SICARIO: TERRA DE NINGUÉM


Possíveis Indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (Denis Villeneuve), Melhor Atriz (Emily Blunt), Melhor Ator Coadjuvante (Benicio Del Toro), Melhor Roteiro Original, Fotografia e Edição.

Esse é um filme tenso de suspense criminal filmado como um filme de arte, com performances de Blunt e Del Toro que são tão tensas que você sente que eles poderiam se fraturar a qualquer momento. Eu não sei se o filme vai conseguir sustentar o interesse durante o resto da temporada, com filmes chamativos como “Mad Max: Estrada da Fúria” e “O Regresso” também nessa mistura. Mas há pessoas que realmente gostam desse filme, e Villeneuve – que também fez o suspense “Os Suspeitos” sobre um sequestro em 2013 – está se tornando rapidamente um grande cineasta.


11 – MISSISSIPI GRIND


Possíveis Indicações: Melhor Ator (Ben Mendelsohn)

Talvez você nunca tenha ouvido falar desse filme nem de seu protagonista, mas pessoas em Hollywood parecem amar Ben Mendelsohn! Ele recentemente teve uma indicação ao Emmy pela série da Netflix “Bloodline”, e as pessoas tem falado de sua atuação nesse filme como um viciado em jogos de azar desde sua premiere em Sundance em janeiro. Os concorrentes a melhor ator desse ano são nomes familiares – DiCaprio, Hanks, Caine, Fassbender, Redmayne – mas, como eu disse, as pessoas amam Mendelsohn, e elas talvez amem ele o suficiente para lhe dar sua primeira indicação ao Oscar.


12 – A TRAVESSIA


Possiveis Indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (Robert Zemeckis), Melhor Ator (Joseph Gordon-Levitt), Melhor Roteiro Adaptado, Fotografia, Edição de Som, Efeitos Visuais

A história da famosa caminhada em um arame de Philippe Petit entre as torres gêmeas do World Trade Center já havia ganho um Oscar, pelo documentário de 2008 “O Equilibrista”. Mas Zemeckis (Forrest Gump, Náufrago) tem o objetivo de trazer a história para a vida, colocando o público sobre o fio com Petit – e em um nauseante 3D! O filme inteiro é o próprio ato de andar sobre o arame, entre o sotaque francês de Gordon-Levitt como Petit, as inevitáveis comparações a “O Equilibrista” e o capricho do filme em seus primeiros dois atos no qual Petit aprende suas habilidades e planeja sua caminhada mortal. Mas esse filme é um alto risco, alta recompensa e se ele ressoar com as audiencias, poderia ser o “As Aventuras de Pi” desse ano – uma maravilha técnica que também funciona como uma fábula agitada. Além de que agora que “Snowden” de Oliver Stone – protagonizando Gordon-Levitt como o denunciante da NSA – está indo para 2016, o ator não precisa se preocupar em competir contra ele mesmo.


13 – FREEHELD


Possíveis Indicações: Melhor Atriz (Julianne Moore), Melhor Ator Coadjuvante (Michael Shannon), Melhor Atriz Coadjuvante (Ellen Page)

Reações a esse comovente – baseado na história real de uma policial com uma doença terminal (Moore) que lutou pelo direito de dar a sua parceira (Page) sua pensão depois que morresse – foram misturadas na melhor das hipóteses quando o filme estreou no Festival de Toronto. Mas reações as performances de Juliane Moore, Ellen Page e especialmente de Michael Shannon, como o policial hétero que se tornou o maior aliado do casal, foram fortes. Essse tem sido um verdadeiro trabalho de amor para Page, que também produz o filme, e sua paixão por ele pode ajudar o filme a se manter no radar da academia nos meses seguintes do seu lançamento limitado.


14 – PERDIDO EM MARTE


Possíveis Indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (Ridley Scott), Melhor Ator (Matt Damon), Melhor Roteiro Adaptado, Edição, Design de Produção, Mixagem de Som e Efeitos Visuais.

Essa grande ficção de aventura sobre um astronauta (Damon) que acidentalmente ficou preso em Marte foi um dos filmes mais bem recebidos no Festival de Toronto esse ano. Se o filme consegue traduzir aquele entusiasmo crítico no estilo “Gravidade”, então é bem provável que ele consiga algumas indicações no estilo “Gravidade”.


15 – STEVE JOBS


Possíveis indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (Danny Boyle), Melhor Ator (Michael Fassbender), Melhor Atriz Coadjuvante (Kate Winslet), Melhor Ator Coadjuvante (Seth Rogen), Melhor Roteiro Adaptado, Edição e Fotografia.

Da última vez que Aaron Sorkin (roteirista) contou a história de um titã da tecnologia do Vale do Silicio, “A Rede Social” se tornou uma sensação, arrecadando $224,9 milhões pelo mundo, ganhando 8 indicações e dando seu primeiro Oscar a Sorkin. As expectativas são ainda maiores para a adaptação de Sorkin da biografia de Walter Isaacson sobre a infame ambição do fundador da Apple e especialmente para a atuação de Fassbender como Jobs. Essa pressão já até resultou em uma certa tensão entre Sorkin e atual CEO da Apple Tim Cook sobre o filme, o que torna automaticamente o filme mais do que esperado.


16 – BEASTS OF NO NATION


Possíveis Indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (Cary Fakunaga), Melhor Ator (Abraham Attah), Melhor Ator Coadjuvante (Idris Elba), Melhor Roteiro Adaptado, Edição e Fotografia.

Em nenhuma outra circunstância, essa cruciante história sobre filhos de soldados no Oeste da África – com o novato Attah como um menino de 11 anos que vira escravo de um carismático senhor da guerra (Elba) – seria um competidor natural para a temporada de premiações, e ele já ganhou elogios no Festival de Toronto. Mas esse é o primeiro filme original da Netflix, que vai simultaneamente lançar o filme em selecionados cinemas Landmark e no seu serviço de streaming em 16 de outubro. A companhia tem grandes planos para o filme nessa temporada, mas é uma questão em aberto como a academia vai interpretar a ambição da Netflix em se expandir na produção de filmes, especialmente com expositores de cinema quase em sincronia com a oposição. Isso vai ser interessante.


17 – PONTE DE ESPIÕES


Possíveis Indicações: Melhor Filmes, Melhor Diretor (Steven Spielberg), Melhor Ator (Tom Hanks), Melhor Ator Coadjuvante (Mark Rylance), Melhor Atriz Coadjuvante (Amy Ryan), Melhor Roteiro Original.

O primeiro filme de Spielberg desde “Lincoln” de 2012 é outro drama histórico, dessa vez sobre o advogado americano (Hanks) recrutado pela CIA em meados de 1960 para ajudar a resgatar um avião espião abatido sobre a União Soviética. Tipicamente, drama histórico + Spielberg = uma viagem para o Oscar; nós teremos um senso melhor de quando a história das temporadas de premiações vai repetir a si mesma depois que Ponte de Espiões for lançado no Festival de Nova York em 4 de outubro.


18 – O QUARTO DE JACK


Possíveis Indicações: melhor Filmes, Melhor Diretor (Lenny Abrahamson), Melhor Ator / Ator Coadjuvante (Jacob Tremblay), Melhor Atriz (Brie Larson), Melhor Atriz Coadjuvante (Joan Allen) e Melhor Roteiro Adaptado.

Essa frágil história de uma jovem mulher raptada e de seu filho de 5 anos que ela deu à luz em cativeiro seria tipicamente dispensado como “muito pequeno” para o Oscar. Mas esse foi um dos filmes favoritos do Festival de Toronto – ele deveria inspirar o tipo de apoio apaixonado que poderia até fazer do filme um indicado a Melhor Filme. Eu apenas espero que Jacob Tremblay seja promovido como ator principal em vez de ator coadjuvante. Seu personagem está em cada cena – o filme é em essência do seu ponto de vista – e sua atuação é tão boa e vital quanto a de Brie Larson.


19 – TRUTH


Possíveis Indicações: Melhor Atriz (Cate Blanchett), Melhor Ator Coadjuvante (Robert Redford)

Há muitas histórias reais sobre intrépidos contadores de história confrontando o sistema esse ano; este é sobre o escândalo de 2004 que derrubou o titã de rede de noticias Dan Rather (Redford) depois que ele e a produtora Mary Mapes (Blanchett) transmitiram uma história questionando o serviço militar do Presidente George W. Bush. Seu conto de jornalismo investigativo vai inevitavelmente ser comparado ao melhor considerado “Spotlight”, que estreia 3 semanas depois, e Blanchett irá competir contra ela mesma no melhor criticado romance “Carol”. Mas depois que Redford falhou em receber uma indicação por “Até o Fim” em 2013, eu suspeito que ele poderia ser uma boa indicação por seu trabalho esse ano.


20 – SUFFRAGETTE


Possíveis Indicações: Melhor Atriz (Carey Mulligan), Figurino, Design de Produção

Mais um drama baseado em fatos reais sobre confrontar o sistema! Esse é sobre a literal luta de vida ou morte pelo direito do voto às mulheres na Inglaterra entre 1912 e 1913, que está, certamente, de acordo com esta temporada de premiações bastante feminista. As críticas no Festival de Telluride, entretanto, foram mornas, focando os elogios na atuação de Carey Mulligan como a mulher que se envolveu totalmente na causa.


21 – BROOKLYN


Possíveis indicações: Melhor Filme, Melhor Diretor (John Crowley), Melhor Atriz (Saoirse Ronan), Melhor Atriz Coadjuvante (Julie Walters), Melhor Roteiro Adaptado, Design de Produção, Figurino, Fotografia

A grande adaptação do romance de Colm Tóibín sobre uma jovem Irlandesa (Ronan) colocada entre seu país de origem e Nova York, foi lançado primeiramente no Festival de Sundance em janeiro, mas foi quando chegou no circuito de festivais no outono que o impulso para as temporada de premiações começou realmente – não apenas pela performance de Ronan, mas pelo filme ao todo.

 

A Parte 2 em breve será liberada, aguardem!!

 

Matéria Original: http://www.buzzfeed.com/adambvary/2015-awards-season-preview#.gx3p5jw41

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.